segunda-feira, 19 de março de 2012

Dia "D" depressão.

Hoje foi um daqueles dias em que eu nem precisava acordar. Um dia daqueles a ser pulado, sabe? Banido da memória! Levantei e peguei a primeira roupa que vi na frente, escovei os dentes com muito esforço e me escondi atrás dos óculos, isso como de costume.

Olhei no espelho e senti uma vontade louca de me jogar pela janela do meu apartamento, mas lembrei que morava no primeiro andar, seria ridículo. Além disso, mesmo que eu morasse no décimo, jamais teria coragem.Sou vaidosa demais pra acabar com a minha própria vida, acho desperdício.

Fui trabalhar ao som de Radiohead, ouvi o suficiente pra chegar querendo cortar os pulsos e em seguida senti uma preguiça enorme de tanta depressão. Achei graça.

sábado, 3 de março de 2012

O meu perfeito

Engraçado esse rumo que tudo tomou. Sinto-me deixando uma vida inteira pra trás, aquele passado que eu nunca deixei ser, pessoas que eu nunca deixei ir e eu, que nunca me deixei ir também, que me recusei a reconhecer que a cada dia que passa já não sou mais a mesma. Eu teimo em ser, mas eu não sou.

Provavelmente hoje eu não sentirei os mesmos sentimentos de ontem e amanhã já não vai ser mais como hoje. E não que o "perfeito" não exista aos vinte cinco anos, ou até mesmo aos cinquenta, mas o que é perfeito? Perfeito é chorar por um amor que não foi, é exagerar na dose, é largar tudo por um erro. É voltar e ganhar não todos os abraços do mundo, mas os únicos que você realmente precisava ganhar, é se enganar nas próximas escolhas com a certeza quase absoluta de que você está certa e perceber na prática que não, é acreditar de novo e amar o contrário de você, e mesmo sabendo que pode dar tudo errado, mesmo dando tudo errado, mesmo assim, ter a certeza de que faria tudo de novamente, só pra sentir de novo aquele "bem temporário".

O perfeito na verdade é cheio de imperfeições e são nessas imperfeições que está contida a beleza da vida, a graça de tudo, são com essas imperfeições que aprendemos alguma coisa, até mesmo a não aprender absolutamente nada. Porque nada dura pra sempre.


Como diz o ditado: " não há mal que sempre dure e nem bem que nunca se acabe. Hora de ir buscar novos " males" que não vão durar e novos "bens" que de vez enquanto  se acabem.