sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Noite Barata.

Eu me lembro que olhei o relógio e já eram cinco da manhã. Na saída do bar, o submundo entre ainda a escuridão da noite e as luzes da cidade.

Peguei um cigarro com um boliviano que estava parado ali na porta, conversamos sobre a economia com propriedade, como se dois bêbados fodidos como nós pudessem mudar alguma coisa, mas é que às vezes o álcool nos da umas certezas tão insanas, que talvez elas sejam mesmo as melhores soluções, enfim ...

Com o amanhecer, aquela vontade de me esconder do mundo, de não viver durante o dia. Fui pra casa como sempre, fedendo a álcool. Não mais que ontem,também não menos,o que faz de mim ridiculamente uma fraude quando digo que detesto rotinas, mas vivo as minhas. Por exemplo, chegar em casa fedendo a álcool todo dia... Que palhaça!

Antes de chegar em casa, numa esquina dessas mais fodidas que eu, conheci Capitu. Eu pedi a ela um cigarro e conversamos um pouco. Quando ela me disse: “Sou Capitu.” Eu falei: “ Como a de Machado...” Ela não entendeu e eu achei graça.

Tão linda... Mas tão burra. Tinha olhos curiosos, bem negros e às vezes eram assustados, pude notar durante a conversa. Tinha uma boca pequena, bem delicadinha e um cabelo comprido, da cor dos olhos, que contrastava com a pele bem branca que ela tinha.

Enquanto ela falava todas aquelas besteiras vulgares nas quais eu não conseguia prestar atenção, foi me dando um tesão só de olhar pra ela, feito coisa animal, sabe? Instinto! Puro instinto!

Fomos pro motel mais barato que encontrei, fazia parte do pacote. Se não fosse motel barato não tinha graça, daqueles cheios de néon e baratas. Bebi mais, bebi tudo, bebi ela, em meio aquela rotina do ser pateticamente fodida todos os dias.



Ódio

Eu tenho raiva sim, eu guardo rancor, eu cultivo o ódio. Não sejamos hipócritas! Até quando? Não sei ... Há tanto o que odiar, a ela , as circunstâncias, os fatos, a mim. Sim, principalmente a mim por ter deixado tudo isso chegar onde chegou, essa mania insuportável de deixar tudo chegar ao seu limite.

Me odeio por não ter percebido, ou não ter querido perceber, me odeio por me deixar e me odeio por ainda odiar. Odeio mesmo, com todas as minhas forças.

Mas quando esse ódio passar... Eu não sei, o que eu vou fazer quando ele passar? De repente quando pensei nisso percebi que sem esse ódio, acho que me sinto vazia. 

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Aquele pedido.

Hoje mais cedo, sai pra tomar café com o Caio. Ele acabara de voltar de viagem, foi pra Bahia e me trouxe de lá uma daquelas fitinhas do senhor do Bonfim, sabe? Conversamos um pouco e em seguida ele pegou as fitinhas, estendeu os braços segurando-as e disse:

- Vem Ni. ( Só ele me chamava assim). - Vem! Vamos fazer nossos pedidos!

Enquanto ele amarrava uma das fitas no meu braço, ia me pedindo que fizesse os tais pedidos. Pensei na hora: “ Que besteira!”, mas em seguida eu podia ver em seus olhos, quanta esperança ...Então sorri surpreendentemente de admiração a crença dele.

Resolvi guardar pra mim as minhas considerações. Sabe, às vezes, muito raramente me apiedo e deixo de destruir crendices populares em certas situações.

Fui pra casa pensando naquilo, durante o caminho eu olhava pra fita e me lembrei que eu já tive uma dessas em outra ocasião. Lembrei também que todos os pedidos que fiz, foram acontecendo, só que todos ao contrário e desde então via aquela fitinha como uma espécie de maldição. Depois disso eu ri da minha estupidez e em seguida com os olhos úmidos, senti saudade de ser uma pessoa mais crente. Os ignorantes realmente são mais felizes. 

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Não faz sentido.

Quando ela foi embora achei que era melhor mesmo, qualquer coisa era melhor do que chegar em casa e encontrar sempre tudo tão igual. Isso é de foder o juízo, sabe? De repente até jantar era incomodo, ela fazia aquele barulho nojento e eu pensava: “Quando foi que ela começou a comer assim?”

De repente você se da conta de que talvez ela sempre tenha feito aquele barulho, mas que você estava bitolada demais pra reparar. É assustador! Me perguntei então: O que mais eu não reparei?

Fui ficando frívola, numa tentativa desesperada de escapar daquilo tudo, já ela sempre foi. Me perguntei nesse momento: O que eu estaria fazendo ali? 


Mais frívola que nós duas juntas, era aquela situação que se tornara sem sentido.Quando o sentido se perde ou quando perdemos o sentido, o que resta? Não tínhamos mais um motivo. Definitivamente, quando ela foi embora, achei melhor mesmo. Agora entre um “bom dia” e outro, nada é igual a como era antes. Será?

sábado, 1 de outubro de 2011

Tarde demais.

Quantas vezes eu quis dormir e só dormir. Você soube? Algum dia você realmente se importou? Você fodeu com a minha vida, haja como tal. Você não tem o direito de reaparecer nela, consertar as coisas e tirar de mim o único sentimento que me restou, o ódio. Tarde de mais pra um perdão, tarde demais pra mudar as coisas, tarde demais pra corrigir seus erros. Hoje é isso que eu sou e não há nada que você possa fazer, eu não quero seu arrependimento, nem muito menos as desculpas, eu não quero mais nada que venha de você.

Essa hoje sou eu velando a morte de cada antigo pedaço meu. Essa hoje sou eu dirigindo bêbada esse carro desgovernado da vida, sendo a garota má que você foi pra mim, pisando em flores, destruído lares, partindo corações, arruinando o resto dessa droga de vida preta e branca que você deixou pra mim. 

Me faz um favor então? Continue sendo a “vaca” que me sacaneou, no fundo é isso que você é, e isso que sempre vai ser, independente de quantos anos se passe, independente do quanto eu ou você amemos outras pessoas, isso não tem nada a ver com amor, independente do quanto foderemos com outras pessoas...


Você gosta de me ver sangrar e eu gosto de te culpar, de te usar como desculpa de tudo até pra minha falta de caráter. Vamos estar sempre ligadas mesmo contra a nossa vontade, porque você vai continuar sendo a “vaca” que arruinou a minha vida e eu vou continuar sendo aquela que encheu teu ego.

Eu tinha um nó na garganta que era só um simples “ vai se foder” preso, vim gritando isso bêbada pela rua. Me sinto bem melhor agora.